Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/12/2005

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: "educação matemática"

Secção George Orwell
«Está numa comunicação de João Filipe de Matos, um dos dirigentes do Centro de Investigação em Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e director da sua "Revista de Educação". Este académico, responsável pela formação de professores, parte de um princípio claro, recorrendo a uma citação: «nas sociedades capitalistas, a escola justifica e produz desigualdades». Por isso, defende que - e cito para que não restem dúvidas - "a disciplina de matemática deve ser urgentemente eliminada dos currículos do ensino básico". Matos prefere que se ensine - volto a citar - "educação matemática". Ou seja, o professor tem uma religião e quer impô-la. E o seu mandamento é que nada se deve ensinar, salvo ensinar a aprender.
O mesmo responsável dá exemplos delirantes. Se o casal Silva quer ir do Campo Grande ao Parque das Nações, com os seus dois filhos, e a viagem de autocarro custa um euro por bilhete, quanto irá pagar?
Ora a resposta normal seria quatro euros. Mas isso é matemática antiga, cheia de mitos a que Matos quer pôr um fim. Ao cabo de vários argumentos sociais, ecológicos e políticos, Matos acha que quatro é muito, porque deveria haver desconto.
Eu sei que para a maioria dos leitores o professor Matos parece fruto da minha imaginação. Mas não é.
»
Só pode ser imaginação do jornalista Henrique Monteiro ("Quem nos liberta desta cruz?", Expresso de 10-12). Não há ninguém tão idiota que escreva uma comunicação dessas. Mesmo sendo um académico. Pois não?

Cinco chateaubriand não chegariam para premiar tais besteiras, se é que o professor Matos não é uma criação do jornalista, caso em que este levaria com cinco ignóbeis pela sua perversidade.

Sem comentários: