Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/03/2018

Notícia é o jornalista morder o cão, o que, sendo raro, acontece (2)

Especulando a propósito do artigo «Mulher morre depois de ter sido atropelada por carro autónomo da Uber» escrevi há dois dias este post. Neste comentário um leitor escreveu «Não esperava esta desonestidade da sua parte! Quantos carros em condução autónoma há por 1.000 habitantes?»

Esse comentário obriga-me, desde logo, a agradecer ao leitor por não esperar desonestidades da minha parte. Obriga-me também e em consequência a esclarecer que o propósito do meu post não era demonstrar coisa nenhuma, mas simplesmente colocar em perspectiva os factos alternativos e os histerismos que contaminam os mídia e as redes sociais a propósito de qualquer tema, incluindo os veículos alternativos.

Tratando o assunto de uma forma ultra-simplificada (falando por exemplo como se houvesse apenas um tipo de autonomia, quando há 3 ou 4, e como se as condições de circulação dos autónomos e convencionais fossem as mesmas, que não são), eis o que posso acrescentar:

1. Não conheço o número de veículos que circulam em condução autónoma. Sei que:
  • Só na Califórnia já foram concedidas 50 licenças a fabricantes de veículos autónomos;  
  • Uma dezena de fabricantes de vários países, incluindo os dois maiores VW e Toyota, e ainda BMW, Honda e Mercedes, estão a testar e nalguns casos também já a produzir veículos autónomos;
  • Até 2017 21 estados americanos tinham introduzido legislação para regular os veículos autónomos;
  • O ano passado o Congresso americano autorizou que os fabricantes testassem este ano 25 mil veículos autónomos nas vias públicas;
  • Em várias grandes cidades americanas e chinesas circula regularmente um número significativo de veículos autónomos.
2. Também sei que em vários anos que circulam veículos autónomos só são conhecidas duas mortes em 2016 e em 2018 relacionadas com estes veículos; 

3. Segundo as estatísticas da Association for Safe International Road Travel, ocorrem por ano 1,3 milhões de mortes em acidentes de viação;

4. O número total mundial de veículos convencionais em circulação segundo a OICA era cerca de 1.300 milhões em 2015;

5. De 3 e 4 resulta que em média ocorre 1 morte por ano por cada 1.000 veículos convencionais;

6. Os veículos autónomos em teste circulam em média alguns milhares de km por semana, muitas vezes mais do que em média um veículo convencional;  

7. De 4, 5 e 6 resulta que para a "taxa de mortalidade" dos veículos autónomos não ser superior à dos veículos comuns seria apenas necessário que em dois anos tivessem circulado em média 1.000 veículos autónomos.

De onde, permito-me concluir, classificar o meu post como «desonestidade» poderia ser classificado como... desonesto, se não fosse o caso de eu considerar isso uma desonestidade.

2 comentários:

Oscar Maximo disse...

Em 3) interessava saber quantos acidentes deram origem a mortes, porque muitas destas mortes não são do condutor, e os veículos tradicionais andam mais "cheios".

ngoncalves disse...

O problema não são os carros autónomos, mas sim a Uber. Desde que se lançaram nos veículos autónomos, só fizeram borrada (o Anthony Levandowski e o processo da Google, por exemplo). A suspeita que corre agora na Ars Technica é que o próprio software e hardware têm deficiências graves.

Portanto, o problema não é um carro autónomo ter causado uma morte. O problema é se a Uber tomou todas as precauções razoáveis para evitar acidentes durante os testes.