Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/03/2014

Pro memoria (163) – O défice estrutural de memória das luminárias nacionais

O professor Cavaco Silva que agora publicou o seu prefácio onde antecipa que, apesar de todas as medidas de austeridades, as finanças públicas do país só serão sustentáveis com mais umas décadas de austeridade, lembrar-se-á que antecipou a «espiral recessiva» e verberou indignadamente essas medidas na sua fase de «provedor dos mais fracos, o provedor das angústias e das aspirações dos portugueses»?

Lembrar-se-á o professor Teixeira dos Santos que, depois de anos a ficar calado, fala agora pelos cotovelos e classifica a «saída limpa» como uma «ilusão», ainda recentemente prognosticava um segundo resgate e durante 6 anos foi cúmplice em chefe da entrada «suja» para o primeiro resgate?

Lembrar-se-ão os «notáveis da esquerda e da direita» que assinaram o manifesto apelando à reestruturação da dívida pública que vários dos signatários participaram em governos com sérias responsabilidades no crescimento insustentável da mesma (Freitas do Amaral, Bagão Félix, Manuela Ferreira Leite, Ferro Rodrigues, Manuela Arcanjo, João Cravinho e ainda Sevinate Pinto e Vítor Martins, ambos consultores de Cavaco Silva) e nem esses nem outros signatários assinaram manifesto algum apelando à contenção desse crescimento durante mais de uma década?

Lembrar-se-ão esses «notáveis» que a banca portuguesa detém uns 40 mil milhões de euros da dívida pública, aos quais será necessário somar talvez mais de uma dezena de milhar de milhões detida por seguradoras (só a Fidelidade 3 a 4 mil milhões) e uns 8 mil milhões no Fundo de Capitalização da Segurança Social, e que essa «reestruturação responsável» seria um tiro no pé?

Para compensar a falta de memória das luminárias, como já aqui escrevemos várias vezes, «os cidadãos deste país não devem ter memória curta e deixar branquear as responsabilidades destas elites merdosas que nos têm desgovernado e pretendem ressuscitar purificadas das suas asneiras, incompetências e cobardias

2 comentários:

FD disse...

Por falar nisso...

http://sicnoticias.sapo.pt/opinionMakers/jose_gomes_ferreira/2014-03-12-carta-a-uma-geracao-errada?fb_action_ids=10203496341755073&fb_action_types=og.likes&fb_source=other_multiline&action_object_map=[494219140683482]&action_type_map=[%22og.likes%22]&action_ref_map=[]

Pertinente disse...

Obrigado. Dica aproveitada.