Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/07/2011

SERVIÇO PÚBLICO: Afinal os conspiradores (também) são franceses

Quem é a Fitch? Uma das maiores agências de rating. O que fazem as agências de rating? Avaliam o risco de estados, empresas, fundos de investimento, títulos, etc. Ao serviço de quem estão as agências de rating? Aqui as opiniões dividem-se. Segundo a vulgata da esquerdalhada, actualmente partilhada por quase todos os governos europeus, as agências de rating estão ao serviço dos interesses anglo-saxónicos em geral e do neo-liberalismo em particular.

Quem são os accionistas da Fitch? Capitalistas anglo-saxónicos desejosos de comprometer a Europa em geral, a U.E. em particular e, muito especialmente, la France, l’exception française et tra la la la. Certo? Errado.

O maior accionista com 60% da Fitch é a Fimalac, uma holding francesa cotada na bolsa de Paris, criada e liderada por Marc Ladreit de Lacharrière, (*) un dirigeant d'entreprise (très) français, né au château familial de Lacharrière, enarque diplômé à l’École Nationale d'Administration. É caso para dizer que a ideia prodigiosa de Francisco Louçã (**) de «criação uma agência de rating europeia que diga a verdade» já está realizada avant la lettre.

REPUBLICAÇÃO do post de 12-09-2010.

(*) O que pensará M. de Lacharrière da ideia de Mme Viviane Reding, Comissária Europeia para a Justiça, de desmantelar as três majors incluindo a Fitch.

(**) Do Louçã do ano passado. O Louçã deste ano já só tem uma ideia: como continuar montado no cavalo do berloquismo, entretanto downgraded para uma mula cansada. Este ano o coro dos que reclamam a «criação uma agência de rating europeia que diga a verdade» ampliou-se com a chegada de solistas do PSD que imaginavam serem suficientes 2 semanas de declarações e promessas para transformar o chumbo em ouro.

Sem comentários: