Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/05/2010

Mitos (10) – energias renováveis, uma bandeira do governo Sócrates

Segundo as contas do Público, em cada euro da factura da EDP apenas 31 cêntimos pagam o custo da energia consumida. Os restantes 69 cêntimos dividem-se em 27 para a gestão do sistema de distribuição e 42 para subsidiar a produção de energias renováveis mas também, por incrível que pareça, as centrais a carvão, gás natural e fuel.

Das diversas formas de atacar o problema das emissões, a via escolhida pelo governo de subsidiar a produção de energias supostamente «limpas» usando certas tecnologias, é a pior de todas, porque implica distorções nas decisões de investimento (veja-se a crescente plantação de geradores de energia eólica, a que falta totalmente a racionalidade económica, apenas para fornecer energia, ao triplo do preço das convencionais, em parte desperdiçada ou oferecida aos espanhóis) e não promove a inovação (para quê com preços subsidiados e garantidos a longo prazo?).

Sem comentários: