Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/02/2006

DIÁRIO DE BORDO: o censurável e o intolerável

É moralmente censurável ridicularizar a religião ou outra crença de outrem. Não há a menor dúvida. Representar Maomé com uma bomba no turbante é quase tão ofensivo como representar o Papa com um preservativo no nariz, como o cartunista António um dia fez no Expresso. Sendo neutro em matéria religiosa, devo reconhecer que a segunda caricatura é gratuitamente ofensiva, pelo preservativo, pelo nariz, e pelo Papa, enquanto que a primeira é um pouco mais realista, porque as partes mais ruidosas das sociedades islâmicas defendem e praticam o terrorismo como forma legítima de luta.

É ainda mais inquestionável que as democracias não podem tolerar a intolerância e fraquejar na defesa do direito de expressar juízos que são moralmente censuráveis.

Os cartunes em causa parecem ter sido destinados a ilustrar um livro onde se refere que Maomé teria praticado a pedofilia. Não sei se isso é historicamente demonstrável, mas já aqui fiz referência a uma peça que The Economist publicou a este respeito, há exactamente 3 anos, e que vale a pena ler.

(via ¡No Pasarán!)

Sem comentários: