Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/05/2011

Pro memoria (26) - José Sócrates, de animal feroz a pedinte, em apenas 18 dias, e sempre mentiroso

[Actualização deste pro memoria]
  • 19-03-2011 «Eu não estou disponível, da minha parte, para governar com o FMI»
  • 28-03-2011 «Ainda vamos ter saudades do PEC»
  • 04-04-2011 «Entre nós e o FMI há 10 milhões de portugueses»
  • 06-04-2011 «O Governo decidiu dirigir à Comissão Europeia um pedido de financiamento»
  • 03-05-2011 «São suficientes as medidas previstas no orçamento e as anunciadas no âmbito do PEC IV» jurou José Sócrates na conferência de imprensa com ao lado da múmia do melhor dos piores pior dos melhores ministros das Finanças da Zona Euro; sobre o acordo com a famigerada troika disse «não haverá … não haverá … não teremos … não será preciso…»; o que haverá, teremos e será preciso fazer será o governo provisório do protectorado a informar os súbditos.
Ao contrário do que dizem os seus detractores, José Sócrates não ofendeu a verdade. Ele jamais se aproxima o suficiente dela para lhe infligir danos corporais. Continuando a sua táctica de afagar o ego dos seus admiradores, mostrando-lhe o quanto são estúpidos, José Sócrates classificou o acordo com o governo provisório do protectorado como «um bom acordo», mas não lhes explicou porque anunciou durante meses que fazer esse acordo seria uma catástrofe da qual o patriota Sócrates não queria ser cúmplice.

Sem comentários: