Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/05/2011

DIÁRIO DE BORDO: Nós e a auto-estima

No (Im)pertinências têm-se defendido principalmente causas impopulares. Um notório exemplo é o do excesso de auto-estima dos portugueses, excesso que para as luminárias nacionais é a sua carência desculpabilizante e justificativa das nossas misérias. Daí, como aqui escrevi, a prática dessas luminárias do «afagar infantilizante do ego dos portugueses (que) não conduz a mais do que uma satisfaçãozinha preguiçosa e negligente que alimenta o conformismo».

É por isso que devo saudar as palavras desassombradas de João Pereira Coutinho (lidas aqui, por esta via) a este respeito:
«Está enganado se pensa que os portugueses não têm auto-estima. Pelo contrário: difícil é encontrar um povo tão narcisista quanto o nosso, com a provável excepção dos brasileiros, que mais não são do que portugueses dilatados pelo calor (obrigado, Eça). Na verdade, só um povo com excesso de auto-estima seria capaz de produzir e consumir (em êxtase) um vídeo masturbatório daqueles; e só um povo com um défice de auto-respeito também. O que temos a mais em vaidade falta-nos em trabalho, sentido do ridículo e noção das responsabilidades.»

Sem comentários: