Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/11/2005

SERVIÇO PÚBLICO: estatísticas de causas

Partilhei do espanto da Joana sobre a síntese de conjuntura do INE, organismo que com o «açambarcamento pelo PS das chefias» acentuou a sua vocação de contador de estórias para ajudar a embalar economistas com o remanso que só se encontra nos «humanistas».

Partilhei, até que percebi que o script que o INE escreveu tem fins terapêuticos - melhorar a auto-estima dos portugueses, com a preciosa ajuda do jornalismo de causas que se esmerará a ampliar os eflúvios do INE e transformá-los em certezas sólidas como rocha para gáudio do povo. Não estamos a falar de quaisquer estatísticas, falamos de estatísticas de causas, produzidas, como escreve a Joana, por um «Instituto Nacional de Sensações (ou de Palpitações)».

Nova entrada para o Glossário das Impertinências

Estatísticas de causas
Estatísticas produzidas por um «Instituto Nacional de Sensações (ou de Palpitações)» para alegria dos economistas de fé e animação do povo. As estatísticas de causas dão razão, com uns bons 150 anos de atraso, a Benjamim Disraeli, primeiro ministro de SM da rainha Victoria. «There are lies, there are damned lies, and there are statistics», escreveu ele premonitoriamente, mesmo sem ter tido a oportunidade de conhecer a produção do INS.

Sem comentários: