Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/11/2018

CASE STUDY: Trumpologia (42) - Quanto mais o detractam, mais a freguesia eleitoral gosta do Donaldo

Mais trumpologia.

Trump agradece a obsessão do
jornalismo de causas e da esquerdalhada
«A razão principal para muitas pessoas gostaram de Trump não parece estar de todo relacionada com as suas qualidades ou com as suas políticas. A razão é, acima de tudo, o ódio aos democratas, uma pulsão que os cientistas políticos designam como "partidarismo negativo". Dificilmente alguém disse que gostava de Trump sem desde logo criticar os seus oponentes. Isso, mais do que o nacionalismo de Trump, o populismo ou a duplicidade do seu chauvinismo, são a essência do seu apelo divisionista. É isso que ele se esforça para amplificar. Foi por isso que Hillary Clinton, a besta negra favorita da direita, era seu oponente perfeito. "Eu acordo todos os dias e dou graças a Deus por ela não ser presidente", disse Beth, quando lhe perguntaram como Trump se está saindo.

É também por isso que os ataques ao governo por jornalistas liberais (entenda-se jornalistas de esquerda) são muito mais visíveis para os seus eleitores do que o que as provocações que Trump faz a esses jornalistas. Esses ataques confirmam que Trump tem os inimigos certos. Na raiz disto está um sentimento de ansiedade cultural e de ressentimento contra a América liberal (de novo, entenda-se América de esquerda), com os seus valores politicamente correctos e os seus comediantes sarcásticos, que o Presidente é apenas mais um republicano a explorar. (...) 

Uma sondagem em 2016 mostrou que os republicanos votaram em Trump apesar de terem dúvidas sobre seu carácter e as suas políticas. Os seus ratings sólidos entre os republicanos sugerem agora que, em matéria de lealdade política, que tende a ser emocional, essa dissonância não poderia manter-se. O carácter e as políticas de Trump são basicamente os mesmos, mas os republicanos têm agora menos dúvidas. É difícil imaginar algo que Trump faça para essas dúvidas voltarem.»

Excerto de «The Trump cult - Republican voters love the president for whom he hates», na Economist

2 comentários:

Anónimo disse...

O que Obama diz a seguir a 3m30s ( não será uma fake news já que é um video de um canal francês ) pode explicar a rejeição dos democratas americanos

https://www.youtube.com/watch?v=B8Mrt4fsD8E

Ricardo Amaral disse...

E por cá o nosso(suposto representante máximo)"empelastro dos afectos pede um mundo melhor em tecno-foruns(e,pois claro,desbobina mais uma vez a cassete contra os "populismos" e afins-fobias não mencionando nada sobre o perigo globalista e o sistema tecno-big-brother chinês). Meu mais recente post https://planetadosprimatas1.blogspot.com/2018/11/um-admiravel-mundo-melhor.html (nota: eu não acho que Trump seja realmente o homem certo no lugar certo,mas parece-me evidente que continuamos(em geral) a confundir as árvores com a floresta,ou seja continua-se a centrar a discussão/análise na forma(seja o Trump ou os adversários que não certamente melhores)e não no conteúdo mais a fundo e sempre ignorado,que é; quem controla realmente os cordeis de tudo o que vemos?)