Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/09/2010

Depois admirem-se (outra vez)

Posso replicar o que aqui escrevi exactamente há um ano sobre a competitividade, ou a falta dela, segundo o World Economic Forum, a propósito da perda de 3 lugares no índice do Global Competitiveness Report 2010-2011. Perda em que o aumento do índice de corrupção de 3,5 para 4,4 teve relevância.

Qual é o problema mais crítico que a economia portuguesa tem de enfrentar? O peso morto da fraca produtividade que reduz a competitividade nos mercados externos para onde temos que exportar, na falta dum mercado interno com dimensão suficiente para a maioria dos produtos.
Seria, portanto, uma boa ideia as políticas propostas pelos partidos com alguma hipótese de virem a ser poder terem em conta os factores de competitividade do Global Competitiveness Report preparado pelo World Economic Forum. Ontem foi divulgado o relatório 2009-2010, mas se os partidos trabalhassem com base no relatório do ano passado chegariam às mesmas conclusões.

Vejam-se os factores mais problemáticos para os negócios e procurem-se nos programas dos partidos do poder as correspondentes políticas e medidas para os superar.
Clicar para ampliar

Em vão.

Veja-se de seguida a posição de Portugal em cada um dos indicadores do Índice de Competitividade Global. A verde estão assinalados aqueles indicadores onde Portugal está posicionado no 1.º decil e a vermelho aqueles em que Portugal está classificado no último quartil.
Clicar para ampliar

O indicador qualidade das estradas onde Portugal está em 8.º lugar (subiu uma posição de 2009 para 2010)é daqueles que mais parece preocupar vários partidos, em especial o partido do governo. Ao contrário, procuram-se em vão políticas ou medidas para atacar as áreas mais críticas, nomeadamente no que respeita ao primeiro e ao sétimo pilares, Instituições e Eficiência do mercado de trabalho.

Depois admirem-se.

Sem comentários: