Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/09/2010

A metalúrgica do regime afunda-se com ele

Que a Martifer dos irmãos Martins, uma kaebol lusitana falhada, é a metalúrgica do regime constitui uma razoável evidência ilustrada pelos jeitos ao governo (por exemplo a compra das minas de Aljustrel à Lundin Mining), pela cooptação para o conselho de administração do ex-estradista Jorge Coelho e pelos jeitos do governo (por exemplo as manobras para compra das suas acções com abertura de créditos pela Caixa sob a batuta dos amigos Vara e Bandeira).

Se o regime prosperasse a Martifer teria o seu futuro garantido, como o regime se afunda a Martifer afunda-se com ele. Com uma dívida de 430 milhões de euros, quase o dobro da sua facturação e 20 vezes o EBITDA, a sua cotação desceu dos 10 € com que entrou na bolsa há três anos para menos de 2 €. Já começou a vender os anéis (entre outros o centro comercial Tavira Gran-Plaza) e até mesmo os dedos (investimentos n Alemanha, Brasil, EU e Austrália.

Tal como o chefe do regime delira sobre o futuro radioso do país, assim Jorge Martins conta estórias delirantes ao Expresso sobre o futuro radioso da Martifer.

Sem comentários: