Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/02/2009

Só pode ser uma campanha negra contra o ministro anexo

Percebe-se que os casos Madoff aconteçam em países infectados pelo neo-liberalismo, com empresários e gestores gananciosos e um (muito conveniente) défice de regulação. Mas como explicar que entre nós, um país de empresários e gestores cooperativos e sempre prontos a saltar para o colo do governo, aconteçam casos como o BPN e o BPN? E logo no sector bancário que tem uma regulação 5 estrelas onde impera o ministro anexo doutor Constâncio.

Como compreender as declarações de António Franco, director de Operações do BPN? O Banco de Portugal não fez as perguntas necessárias porque se «contenta com meias respostas» que fazem «desaparecer os problemas»? «Se o Banco de Portugal tivesse perguntado de onde vinha o dinheiro, já tinha descoberto há muito o Banco Insular»? «Acabam (os bancos) por se aperceber dos tiques do supervisor, se este pede informações só no fim do mês, no fim do semestre ou no fim do ano. O Banco de Portugal fica satisfeito com meias respostas»? Quando havia era «posto dinheiro e o Banco de Portugal fica satisfeito se aquilo desaparecer»? «Nunca fazem a pergunta seguinte: de onde apareceu esse dinheiro?»

Sem comentários: