Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/02/2009

ESTADO DE SÍTIO: try something and, when that does not work, try something else

Na sua constante agitação mediática o governo, desta vez pela boca do inefável ministro da Economia, anunciou mais uma medida a acrescentar à pletora já conhecida: as empresas com dificuldades financeiras, isto é todas as empresas do país que não dispõem duma reserva de mercado, que pagam aos credores e ao fisco e têm em dia os pagamentos à segurança social, poderão vender os seus imóveis a um fundo público de investimento imobiliário com quem farão um contrato de arrendamento. O fundo disporá de 100 milhões de euros, o suficiente para financiar umas 200 empresas se admitirmos um valor médio modesto de meio milhão de euros por imóvel.

Como dizia o meu avô, não dá para encher a cova dum dente. Ou talvez não, se as empresas com dificuldades financeiras fossem caracterizadas como as que simultaneamente não dispõem duma reserva de mercado, pagam aos credores e ao fisco e têm em dia os pagamentos à segurança social, seriam talvez menos de 200.

Chegado aqui, lembrei-me da estratégia implícita do governo inglês que a Economist descreve como «try something and, when that does not work, try something else».

Sem comentários: