Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/03/2005

DIÁRIO DE BORDO: a maiêutica do aborto (5)

Depois de (1), (2), (3) e (4), continuando a especular.

Porque procuram mulheres portuguesas abortar em Espanha que tem uma lei do aborto copiada da lei portuguesa? Porque não sentem os espanhóis necessidade de alterar a lei do aborto que copiaram da portuguesa?

Porque nunca é mencionado que os fetos abortados têm um progenitor? Qual o papel reservado ao progenitor na decisão de abortar? Se o progenitor não tem responsabilidades nem desempenha nenhum papel nessa decisão, porquê terá que assumir responsabilidades e ter um papel como pai quando nasce uma criança?

Num país com um défice de nascimentos (saldo demográfico de 0,04pm em 2003), porque não se persuadem as mulheres com gravidezes indesejadas a darem os seus filhos nascituros para adopção? Porquê existem milhares de casais na fila de espera da adopção? O que levará muitos casais a desistirem, procurando com sucesso a adopção internacional?

Sem comentários: