Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/05/2004

CASE STUDY: Atrelados à carroça do eixo Paris-Berlim.

O eixo Paris-Berlim continua activamente a tentar atrelar a União Europeia à sua carroça política e económica. Hoje tratamos do varal económico.

O eixo esforça-se por impingir a harmonização fiscal para impedir a concorrência dos novos países aderentes com impostos mais baixos que os tornam mais atractivos para o investimento directo.
[Ainda que a teoria económica evidencie que uma zona monetária óptima deverá ter um sistema fiscal único, também é verdade que o «óptimo» da zona monetária depende igualmente duma forte mobilidade do capital e da mão-de-obra, e, todos sabemos, que esta última defronta gigantescas barreiras linguísticas, culturais e corporativas.]
Nas circunstâncias actuais, é perfeitamente legítimo que esses países recusem o embuste da «harmonização» e reduzam os seus impostos. A longo prazo esse emagrecimento fiscal só será sustentável emagrecendo o aparelho administrativo do estado – uma boa notícia numa UE anquilosada por estados obesos e cadaverosos.

Ao mesmo tempo que quer impor a harmonização fiscal, o eixo Paris-Berlim continua a defender a manutenção da PAC – um monstro gerador de ineficiências, uma máquina de sugar dinheiro dos contribuintes para proteger da concorrência os agricultores europeus, com os agricultores franceses à cabeça. Berlim não ganha nada com o negócio, mas é o preço a pagar a Paris.

Um bom exemplo das ineficiências geradas pela PAC e do impacto brutal que tem nos países subdesenvolvidos (*) é o açúcar. O custo de produção do açúcar (de beterraba) na UE é o triplo do preço corrente no mercado internacional e o sêxtuplo do custo de produção do Brasil (açúcar de cana).
Quem perde com a PAC? Os países produtores (subdesenvolvidos). Quem ganha? Os grandes refinadores europeus: Beghin Say, francês, USD 236 milhões/ano , Sudzucker, alemão, USD 201 milhões/ano e Tate & Lyle, britânico, USD 158 milhões/ano.



O que faz a esquerdalhada? Lambe as botas dos agricultores, enche os bolsos dos «tubarões» e prolonga a miséria dos «explorados» nas ex-colónias. Um belo programa.

(*) Não gosto de usar o ridículo politicamente correcto país em desenvolvimento, por várias razões, a última das quais é que alguns desses países não se estão a desenvolver.

Sem comentários: