Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/06/2009

A maldição da tabuada

Título do Público de hoje: «Número dos que podem votar não bate certo com os recenseados»

Há os adeptos da prevalência da nature que atribuem a vocação nacional para a inumeracia ao ADN que resultou da miscigenação de tão variados bárbaros, todos igualmente analfabetos, com romanos e árabes um pouco mais letrados, que em épocas diferentes ocuparam a jangada de pedra. Subsidiariamente, a falta de vocação para os números seria compensada pela vocação para a poesia, o que faria de nós um povo de poetas. Outros (os adeptos da prevalência da nurture), explicam a inumeracia com a influência dos adeptos das novas pedagogias nas inúmeras reformas «educativas» nos últimos 35 anos, que aboliram as tabuadas e com elas a esperança dos portugueses serem capazes de fazer pelo menos duas das quatro operações aritméticas. Há ainda os que (possivelmente a maioria) nunca se deram conta da existência do fenómeno. Seja qual for a explicação, parece difícil negá-lo, mas não tanto quanto parece, porque a maioria não se dá conta dele.

A divergência de «quase um milhão de pessoas (que) separa o número de cidadãos maiores de 18 anos e, portanto, com capacidade para votar, e o número de recenseados» parece-me simples de explicar àquela luz, dispensando, portanto, mais elaboração. Parece-me simples, mas pelos vistos não é. Só a vocação nacional para a poesia permitirá compreender as explicações dos especialistas ouvidos pelo Público para o facto de haver mais quase um milhão de recenseados do que de maiores de 18 anos.

Essas explicações vão desde «pessoas que morreram e ainda não foram retiradas dos cadernos eleitorais» a «pessoas que não residem no país mas têm bilhete de identidade com residência em território nacional». Como uns acreditam mais no INE e outros na CNE, a proposta do sociólogo António Barreto é a mais adequada para eliminar o problema e chegar a um só número diferente dos outros dois, provavelmente também errado: «uma só entidade devia coordenar os dois censos».

Sem comentários: