Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/11/2007

DIÁRIO DE BORDO: o livre-arbítrio

Há dois ângulos para olhar para os desastres da educação pública e da administração de justiça. No primeiro, conclui-se que os professores e os juízes não têm responsabilidades nesses desastres. No segundo, conclui-se que uns e outros contribuíram para os desastres e têm neles responsabilidades (maiores ou menores? as opiniões dividem-se).

O primeiro ângulo tem implícito que os professores e os juízes são enquanto corporação inimputáveis, sendo por isso em geral suficientemente incompetentes. O segundo ângulo tem implícito que uns e outros são em geral suficientemente incompetentes, sendo por isso inimputáveis.

Há ainda um terceiro ângulo determinístico donde se conclui que os responsáveis são ELES.

[Eles (socialês)
(1) Os culpados da nossa miséria (dos fascistas aos liberais, passando pelos comunistas e, sempre, os espanhóis, e, em alternância, o governo e a oposição).
(2) Os responsáveis pelo trânsito da miséria para a felicidade (quase todos os referidos).
Antónimos: EU (que não sou parvo e não tenho nada a ver com isso) e NÓS (EU, a minha MÃE, a minha patroa, os putos, os amigos, talvez o clube, e o partido, às vezes).]

Sem comentários: