Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/12/2008

ESTADO DE SÍTIO: O efeito multiplicador do investimento público.

O rácio de derrapagem do custo das obras públicas costumava ser 100%. Esta percentagem seria, digamos assim, uma espécie de base line. Para começar multiplica-se por dois, depois logo se vê. Costumava, mas no caso do novo pacote rodoviário as propostas apresentadas pelos concorrentes antes da adjudicação já a coisa tinha aumentado entre 50% a 150%.

Porém, um novo paradigma do investimento público emergiu com a Casa da Música cuja derrapagem atingiu uns assombrosos 228%, ou dito de outra maneira a coisa custou mais de 3 vezes o valor da adjudicação e demorou o triplo do tempo previsto. Já não podemos falar de derrapagem. É mais aquaplanning.

Quando se lê e se ouve pôr em causa o efeito multiplicador do investimento público, deveriam os cépticos começar por admitir que qualquer investimento público tem um multiplicador não inferior a 2 e com alguma sorte pode atingir 3 ou mais. Há que considerar os custos de manutenção, invariavelmente superiores aos benefícios gerados pelo investimento, onde se aplica igualmente o efeito multiplicador.

Sem comentários: