Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/01/2008

ARTIGO DEFUNTO: «Greenspan defende Vítor Constâncio»

Em meados de 2007, Alan Greenspan, ex-presidente do FED, publicou The Age of Turbulence: Adventures in a New World, onde basicamente relata a sua experiência e justifica a política monetária americana que executou nos 20 anos anteriores, entre 1987 e 2006.

Entre muitas outras opiniões (e alguns factos) escreveu esta: «por muito que alguns reguladores da banca se esforcem por promover o exercício saudável da actividade, é muito difícil descobrir uma fraude ou um desfalque sem que alguém tenha dado o alerta». Mal sabia o maior praticante vivo do mumble-jumble (sub-dialecto do economês), que esta frase inocente iria a ser usada meses mais tarde para o jornalista de causas doutor Nicolau Santos fazer o frete de limpeza dos detritos do Millenium bcp dos ombros do ministro anexo doutor Constâncio, e escrever no Expresso um artigo laudatório com o assombroso título «Greenspan defende Vítor Constâncio».

Sem comentários: