Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/07/2005

ARTIGO DEFUNTO: o milagre da multiplicação, segundo um otário

Numa peça enganadoramente titulada «Contra o pensamento dominante», no Expresso de hoje, o doutor Nicolau Santos, socorrendo-se do estudo de Marvão Pereira e Miguel Andraz («O impacto do investimento público na economia portuguesa»), afirma que «o investimento público de um Euro conduz, no longo prazo, ao aumento do produto em cerca de 9,5 euros, a receitas fiscais 3,3 vezes superiores, ao aumento do investimento privado em 8,1 euros e à criação de 230 novos empregos».

Se, como diz o ministro das Obras Públicas, o investimento público na Ota vai representar 15 a 18% do investimento total, então com os cerca 5 mil milhões de euros, no longo prazo (seja lá o que isso for, mas fiquemo-nos por 20 anos), duas pistas para aviões, uns hangares, umas torres de controlo, umas mangas, umas gares, um auto-estrada e mais umas miudezas irão fazer chover sobre nós o seguinte maná:
  • incremento do PIB superior a 7 mil milhões de euros
  • aumento de 2,5 mil milhões de euros na colecta
  • aumento do investimento privado em 6 mil milhões de euros
  • e, last but not least, mais de 170 mil milhões novos empregos.
Esqueça-se este último milagre, que só pode dever-se a uma gralha ou ao arrebatamento do doutor Nicolau. Esqueça-se até tudo o resto, excepto o pequeno milagre do aumento da colecta que, graças à Ota, nos proporcionaria uma redução do défice de quase 2%. Duas Otas e estamos novamente nos carris do PEC.

Como é que ainda ninguém se tinha lembrado disto?

(Para levar a coisa um pouco mais a sério, pode ler-se o que escreveu o blasfemo João Miranda a respeito da falácia dos multiplicadores.)

Sem comentários: