Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/02/2008

SERVIÇO PÚBLICO: O efeito do tempo sobre os objectivos do governo.

«"Desde que iniciámos funções, a economia gerou 94 mil postos de trabalho. Não vejo nenhuma razão para que no próximo ano e meio não consigamos ter mais emprego e conseguirmos atingir o nosso objectivo", afirmou o primeiro-ministro aos jornalistas, à entrada do Centro de Saúde de Torres Vedras, ao comentar a taxa de desemprego hoje divulgada pelo INE.» (Público)

O nosso objectivo? Qual objectivo?

«A agenda económica do Governo tem como objectivo aumentar, de forma sustentada, o crescimento potencial da nossa economia para 3%, durante esta legislatura. Só com o crescimento da economia poderemos resolver o problema do desemprego e combater as desigualdades sociais. Portugal deve ter como objectivo recuperar, nos próximos quatro anos, os cerca de 150.000 postos de trabalho perdidos na última legislatura.» (Programa de XVII Governo (CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA, I. VOLTAR A ACREDITAR, 1. Uma estratégia mobilizadora para mudar Portugal, página 8)

No seu programa o governo escreveu recuperar 150 mil postos de trabalho. Não escreveu criar 150 mil novos postos de trabalho. Gerar novos postos de trabalho é o mesmo que recuperar postos de trabalho perdidos? Se fosse a mesma coisa, a geração de novos postos de trabalho poderia reconverter o tecido económico mas seguramente não resolveria o problema do desemprego que é o propósito declarado do governo.

É possível enganar alguns, toda a vida. É possível enganar todos, algum tempo. Não é possível enganar todos, sempre.

Sem comentários: