Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/08/2009

CASE STUDY: quem é o deus ex machina da Ongoing? (2)

Alguns factos e informações complementares interessantes a partir daqui (por indicação de AP). Fala-se pela primeira vez de Nuno Vasconcelos e da Ongoing com a OPA da Sonae sobre a PT. A Ongoing surge então, em 2006, como uma espécie de white knight caseira a salvar a PT das garras dos Azevedos, por conta e ordem de interesses vários liderados pelos incontornáveis Espíritos, eles próprios accionistas de referência da PT.

Entre 2006 e 2008, o BES financiou 187 milhões, mas foi o Millenium bcp que entrou com a fatia de leão - 387 milhões. A Ongoing tinha no ano passado um passivo superior a 830 milhões, dos quais 800 milhões dívidas à banca – além do BES e do Millenium bcp há mais bancos (pelo menos o Crédit Suisse, com a maior parte) a quem a Ongoing deve mais de 200 milhões. Mais de 70% do passivo de 800 milhões é de curto prazo.

Como explicar que uma banca tão prudente na gestão do risco de crédito, que chora cada tostão que empresta a uma PME, aposta 800 milhões num SPV (*) tão sólido como ar rarefeito?

(*) Special Purpose Vehicle. Isto sou eu a brincar com as palavras. Neste caso, o Special Purpose é precisamente o mistério a desvendar: o propósito do deus ex machina da Ongoing.

29/08/2009

CASE STUDY: quem é o deus ex machina da Ongoing?

Se me perguntassem quais os mistérios mais densos, de entre a multidão de mistérios que pululam na intersecção, cada vez mais volumosa, entre os mundos dos negócios e da política portuguesa, apontaria sem hesitação dois relacionados entre si. Quem é o criador da criatura Ongoing-Vasconcelos e quais os seus propósitos? É o primeiro mistério. Porquê este mistério parece não interessar a ninguém nos media?

Este segundo mistério perdeu relevância deste ontem, com o editorial do arquitecto Saraiva no Sol precisamente sobre este tema o qual coloca algumas das perguntas que toda a gente deveria andar a fazer. Passemos em revista algumas delas.

Donde vem o dinheiro da Ongoing para comprar 7% da PT, uma pechincha de 500 milhões, para pagar 30 milhões pelo Diário Económico, e se propor pagar 100 milhões pela TVI? Sem esquecer que ainda pretende comprar uma participação de controlo na Imprensa de Balsemão, holding da SIC. Não vem de Nuno Vasconcelos, que não tem activos para isso. Vem do Millenium bcp, o banco do governo, e do BES, cada vez mais os banqueiros do socialismo pós-moderno. Ao todo serão 600 milhões de euros parqueados por estes dois bancos na Ongoing.

Porque estão disponíveis o Millenium bcp e o BES para emprestarem 600 milhões a uma empresa que pretende vir a ter o seu core business nos media, um sector de alto risco?

Como conseguirá pagar a Ongoing 600 milhões de empréstimo com uma carteira de investimentos cujos rendimentos nem para pagar os juros chegam?

E, last but not least, quem é o deus ex machina da Ongoing?

28/08/2009

Lost in translation (7) – se o governo tivesse tomado medidas à séria, estaríamos à cabeça do pelotão

Este governo não pára de me surpreender. Depois de ter gasto apenas uns míseros 278,5 milhões dum total de 2.500 milhões do plano global de combate à crise, segundo nos informou um secretário de estado adjunto, o governo, pela boca do ministro das Finanças, cada vez mais um clone tristonho do querido líder, informa-nos que «as medidas levadas a cabo pelo Governo para enfrentar os efeitos da crise estão a resultar» e que «o pior da crise terá já passado».

A receita é simples: se decrescemos menos do que os outros, são as medidas do governo; se crescemos menos do que os outros, como é costume, é a crise. É extraordinário o que o contágio fez dum homem, que parecia sensato, digno de crédito e com a sebenta da macroeconomia decorada, um sujeito trapalhão, cheio de truques, sempre a vender o produto estragado do querido líder.

DIÁRIO DE BORDO: a passarada que me visita (3)

Bando (Sturnus vulgaris?)

27/08/2009

Lost in translation (6) se Deus escreve direito por linhas tortas, o jornalista escreve torto por linhas direitas

Sob o título «Portugal bate países europeus pela primeira vez desde 2001» o jornalista do Semanário Económico tem a desfaçatez de escrever:
«Se Deus escreve direito por linhas tortas, a economia portuguesa deve estar sob alçada divina. No meio da maior recessão desde a II Guerra Mundial, Portugal fez aquilo que não conseguia desde 2001: um desempenho económico superior ao da zona euro, aproximando-se dos parceiros europeus
Como aqui se lembrou, «é aconselhável olhar para os números do INE e, antes de deitar foguetes convém ter em conta que o crescimento de 0,3% é em cadeia relativamente ao trimestre anterior em que o PIB caiu 1,6%, e convém igualmente olhar para a queda homóloga de 3,7% prevista nas estimativas rápidas

Se isto é jornalismo económico, então os jornalistas económicos são oráculos a anunciar o princípio das vacas gordas no auge da era das vacas magras.

26/08/2009

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: uma opinião do tele-evangelista a ter em conta

«O capital anda sempre de chapéu virado para o Estado", disse o professor Louçã na entrevista ao Jornal de Negócios. O capital, o trabalho, os sindicatos, os reformados, os velhos e os jovens desde a mais tenra idade, acrescentaria eu. É o ódio (à extorsão) e o desvelo (pelas tenças) bem português em relação ao Estado, dualidade a que se aplica o pensamento em curso de Bastiat «L'État, cette grande fiction à travers laquelle tout le monde s'efforce de vivre aux dépens de tout le monde

A ética socrática é o estádio superior da ética republicana do socialismo histórico (2)

Não é a primeira vez. A primeira foi com a imagem do redentor. Desta vez foi a imagem do querido líder abençoando a sua mandatária para a juventude, extraída do vídeo do youtube, que foi infectada com a última versão (de 24 de Agosto) dum perigoso vírus heurístico.


Para compensar o insucesso dos hackers ao serviço do querido líder, publico a imagem do portentoso rabo da mandatária com as minhas sinceras homenagens.

20/08/2009

BREIQUINGUE NIUZ: coisas difíceis de compreender

E nós a pensarmos que estas coisas só aconteciam no antigamente, nos EU da era pré-Obama. Só pode ser o resultado da direita no poder.

19/08/2009

Lost in translation (5) «disparates de verão»

Como é que o querido líder pode saber se os recados da mini central de manipulação do doutor Cavaco sobre as suspeitas de escutas são «disparates»? Poderá garantir que nenhum das centenas ou milhares de funcionários públicos (ou privados) preparados para montar uma escuta está a fazê-lo? Obviamente que não pode. Não podendo garantir e se não ordenou as escutas, faria sentido classificar as suspeitas como «disparates»? Obviamente que não faria sentido. Porquê então, num clima de crispação com Belém, Sócrates utiliza a sua mega central de manipulação para classificar como «disparates» as suspeitas?

Há várias respostas possíveis. A que melhor se adequa à sua difícil convivência com a verdade, à ausência de escrúpulos que tem demonstrado e aos apparatchiks que o rodeiam, é que José Sócrates no mínimo sabe que as escutas estão a ser feitas e no máximo ordenou-as.

CONDIÇÃO MASCULINA: Não se casem raparigas

[Enviado por AB, quiçá num momento fugaz de grande lucidez acerca do seu self]

18/08/2009

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: a economia não depende dos palhaços que vão à televisão falar de economia

Secção Assaults of thoughts

Surpreendentemente, pelo menos para quem está habituado a governos especializados em apresentar o fim da crise todos os meses e a convencer-nos do seu poder miraculoso para promover o crescimento económico, a ministra das Finanças francesa, Christine Lagarde, manifestou-se muito surpreendida com o aumento de 0,3% do PIB em relação ao 1.º trimestre, como quem se interroga que é que nós fizemos para merecer isto? Segundo o Wall Street Journal, essa insólita humildade fica a dever-se às décadas que Madame Lagarde trabalhou no sector privado, que lhe proporcionaram uma visão privilegiada sobre o funcionamento da economia, em relação às criaturas que fizeram a sua vida nos jotas ou nas torres de marfim universitárias ou, in extremis, terminando licenciaturas em agitados fins-de-semana.

Para usar as palavras do WSJ, «at a time when politicians around the world are desperate for any sign of a turnaround, it's refreshing to hear the minister responsible for France's economy speak the truth about growth. It is the product of literally millions of decisions made by millions of people about what to produce, buy and sell. Politicians can influence all that decision making, especially by increasing or decreasing the incentives to produce, work and innovate. But they can't control today's multi-trillion-dollar economies, no matter how much they'd like to take credit for doing so when things start looking better

Aqui ficam 3 afonsos para Madame Lagarde por perceber que «a economia depende dos dez milhões de portugueses (ou dos 65 milhões de franceses) e não dos duzentos palhaços que vão à televisão falar de economia», como um dia disse João César das Neves.

17/08/2009

Socialismos-irmãos

Qual é o país atolado na recessão, com um crescimento baseado em mão-de-obra indiferenciada e barata e em actividades trabalho-intensivas, como a construção e o turismo, com um stock considerável de casas para vender e que, não podendo desvalorizar a moeda, não faz as reformas necessárias para ser competitivo, continuando com um sistema educativo disfuncional e um mercado de trabalho desastroso? Qual é o país cujo primeiro-ministro socialista governa com habilidades tácticas, adia medidas impopulares e tem o hábito de derramar dinheiro em cima dos problemas?

Qual é o país qual é ele, assim descrito pela Economist?

16/08/2009

Pequena e média corrupção

A empresa pública Parque Escolar foi constituída em 2007 para «garantir rapidez da intervenção» no processo das obras de modernização das escolas secundárias. Garantir rapidez não garantiu, porque dois anos depois só adjudicou projectos e nem todos. Decididamente garantiu a obscuridade ao adjudicar sem concurso nem informação pública 105 projectos a 80 gabinetes de arquitectura por um total superior a 20 milhões de euros ou 200.000 euros por projecto, muito acima do limite de 25.000 euros para o ajuste directo.

Supondo que a média se mantém, para a modernização do total de 205 escolas previstas a Parque Escolar irá gastar só nos projectos uma módica verba superior a 40 milhões de euros. Para as obras estão previstos 2,5 mil milhões de euros ou mais de 12 milhões de euros por escola. Considerando o rácio médio de derrapagem de 100% das obras públicas, facilmente o valor total ultrapassará 5 mil milhões de euros ou 3% do PIB.

Diferentemente das grandes obras públicas que gratificam um pequeno número de grandes empreiteiros este é um dos negócios do socialismo português do século XXI que, permitirá distribuir gratificações por umas centenas de micro empresas e PME. Ao lado da grande corrupção das grandes obras públicas teremos (estamos a ter) a pequena e média corrupção.

«Em Portugal rouba-se muito. O País não tem dimensão para se roubar tanto» disse Ferraz da Costa.

DIÁRIO DE BORDO: mudam-se os tempos, permanece Maslow

Os ricos da minha geração eram (em média) gordos, os pobres eram (em média) magros e a quase inexistente classe média era (em média) entremeada. Hoje os riscos são (em média) entremeados, os pobres continuam (em média) magros e a classe média é (em média) gorda.

É a pirâmide de Maslow.

15/08/2009

Lost in translation (4) – quando o princípio do fim da crise do grande líder é a continuação da mesma crise doméstica sem a crise internacional

«O Governo está num caminho seguro para sair de uma das mais graves crises da economia» disse o grande líder comentando o crescimento de 0,3% no 2.º trimestre, tão pindérico que até pode ser um erro das chamadas estimativas rápidas do INE. Escaldado com os vários anúncios do fim da crise pelo saudoso ministro Pinho, o grande líder conteve-se e, executando a release 2.0 inaugurada depois da derrota eleitoral nas europeias e ainda na versão beta, acrescentou o melhor do seu pensamento filosófico: «isto não é o fim da crise, mas sim o princípio do fim da crise».

Pelo sim, pelo não, é aconselhável olhar para os números do INE e, antes de deitar foguetes convém ter em conta que o crescimento de 0,3% é em cadeia relativamente ao trimestre anterior em que o PIB caiu 1,6%, e convém igualmente olhar para a queda homóloga de 3,7% prevista nas estimativas rápidas.

A derrapagem anunciada depois de a obra acabar

Oito anos e 14 milhões de euros depois, a marina do Parque das Nações, que já tinha sido inaugurada na Expo’98, volta a ser inaugurada hoje para uma regata Lisboa-Moita-Lisboa. Os 600 lugares de amarração (agora só estão disponíveis 150) que não foram feitos em oito anos vão ser feitos até ao fim do mês. Vá lá, até às eleições. Para mais tarde («quando se justificar») são prometidos mais 300 lugares na bacia norte e em 2010 um cais de eventos, uma área comercial de 5.000 m2 e um clube náutico.

Voltamos a falar daqui a oito anos.

14/08/2009

O (IM)PERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: Atchim!

Clicar para ampliar
[Enviado por AB]

E se de repente um tribunal numa cidade obscura fizesse um rombo no tratado de Lisboa?

Até agora os pesadelos dos euromaníacos localizam-se em Dublin. Daí o esforço desesperado para chantagear o governo irlandês que este, com grande sentido de oportunidade, aproveitou para extrair algumas isenções do europacote. Fazem mal em não prestar atenção a uma cidade muito mais obscura no estado de Baden-Württemberg onde se situa o tribunal constitucional alemão que tem as maiores dúvidas sobre a constitucionalidade do tratado de Lisboa o qual, segundo os juízes, dará à União Europeia o estatuto próximo de um estado fora do controlo do tribunal constitucional alemão e, por isso, deliberou que a UE não era suficientemente democrática para suportar uma maior integração. Recomendou ainda ao parlamento a aprovação de uma lei que aumentasse os seus poderes em relação aos assuntos europeus, particularmente em relação à lei penal, fiscalidade, educação e religião.

Não está, portanto, garantido que o tribunal constitucional alemão aprove a provável ratificação pelo parlamento que está prevista ter lugar antes do referendo irlandês em 2 de Outubro.

13/08/2009

ESTADO DE SÍTIO: igualdade de oportunidades

«John Romão explica que os prostitutos se vendem o melhor que podem e inventam esquemas para sobreviver. Os artistas também: "Tomam cafés no Chiado e copos no Bairro Alto com os programadores de teatro, fazem amizade com jornalistas que lhes podem dar protagonismo e, se são velhos na área, sentam-se à sombra dos subsídios do Estado.
Com a mesma falta de pudor com que diz isto, John Romão revela em palco quanto recebeu para fazer a peça: 10 mil euros da Direcção-Geral das Artes, 3 mil do Citemor e 7 mil do Teatro La Laboral de Gijón, Espanha (onde a peça vai ser apresentada em Dezembro). E cada prostituto (dois homossexuais, um é heterossexual) recebeu 1500 euros para ser actor. "Quero falar de dinheiro e arte, tal como se fala de dinheiro e putas. Recuso o tabu cristão do dinheiro", explica o autor e encenador da peça


Acabou a discriminação. No teatro independente, os prostitutos, invertidos ou não, tal como os outros artistas, «sentam-se à sombra dos subsídios do Estado».

12/08/2009

A derrapagem anunciada antes da obra começar (2)

Em matéria de pré-derrapagem nas auto-estradas, a tradição continua a ser o que tem sido. Na AE Baixo Tejo, por exemplo, o valor actualizado líquido era de 115 milhões e adjudicação for feita por mais de 300 milhões.

O desinteresse nacional pelo conflito de interesses (2) – não basta a mulher de César parecer séria (e não parece)

Num país onde o bastonário dos médicos aceita com a maior naturalidade exercer um cargo de administração num fornecedor da Ordem, e, diga-se por amor à verdade, o escândalo não foi por ter aceite o cargo mas por ter aceite as mordomias inerentes ao cargo, não espanta que entre dois advogados do mesmo escritório um represente os vencedores de concursos públicos para a abertura de farmácias em hospitais públicos e outro a faça a assessoria ao ministério da Saúde.

O que espanta é o doutor Júdice, um dos advogados do regime com mais conflitos de interesses na sua sociedade num ano do que os pobres coitados em toda a vida, tenha filosofado a propósito «os advogados são como a mulher de César, não basta serem sérios, têm que parecê-lo».

11/08/2009

ARTIGO DEFUNTO: o Jornal de Notícias é o Izvestia de Sócrates

Eu gostava de saber qual é a explicação do Jornal de Notícias para a irremediável contradição entre aceitar o diktat (*) da ERC (que parece ter herdado os lápis azuis do salazarismo), «afastando alguns dos seus colaboradores que eram candidatos em eleições (e que protestaram contra esse afastamento) ... [e o] tratamento excepcional ao candidato do PS José Sócrates, publicando um artigo seu com grande destaque na primeira página» (Abrupto).

(*) Diktat – noun, an order or decree imposed by someone in power without popular consent. 1930s: from Ger. [© Oxford University Press, 2004]

ESTADO DE SÍTIO: a derradeira ejaculação do parlamento

Nas últimas sessões desta legislatura, o parlamento encheu o jeep do doutor Cavaco com abundante legislação para ratificação, apesar das horas extraordinárias do PR para promulgar dezenas de leis resultantes da pletórica ejaculação final deste órgão legislativo.

Só leis de «elevação» foram inúmeras. De povoados a vilas: Prior Velho, Senhora Aparecida, Arões, Ancede, Bensafrim, Vilarinho, Guifões, Soza, Madalena, Tavarede, Lordelo, Montelavar, Valongo do Vouga, Olival, Casal de Cambra, Soajo, Castro Laboreiro, A dos Francos, Foz do Arelho, Lavos, Marinha das Ondas, São Pedro. De vilas a cidades: Valença, S. Pedro do Sul, Samora Correia, Senhora da Hora, Borba.

No final deste processo elevatório teremos um país só com cidades – uma espécie de processo de Bolonha aplicado ao urbanismo. Será então altura do parlamento constituir uma comissão para estudar a criação de novos grau na hierarquia urbana. Algumas ideias: super-cidades, hiper-cidades, mega-cidades.

10/08/2009

Outros obamas de Obama fazem felizes os obamófobos: episódio (2) O texano tóxico não faria melhor

Barack Obama conseguiu excitar quase toda a esquerdalhada no poder na América Latina, liderada pelo coronel Hugo Chávez convenientemente acolitado pelo cultivador de coca Evo Morales, a pretexto das intenções do governo americano criar bases e deslocar tropas para a Colômbia para alegadamente combater o narco-tráfego. Está em risco a estratégia de sedução da esquerdalhada.
O texano tóxico não faria melhor.

09/08/2009

PUBLIC SERVICE: Obama's Kerenskyism, Honduras and the Chavist Abyss

Obama's Kerenskyism, Honduras and the Chavist Abyss
Just like President Eduardo Frei Montalva passed to history as the Chilean Kerensky for paving the road to socialist Allende, president Obama is at risk of passing to history as the Americas' Kerensky if pushing Honduras into the Chavist abyss

By Armando Valladares, July 21, 2009, 10:50 AM

When Honduras' president Zelaya was deposed from power by order of the Supreme Court of that country, and with the majority support by the congress, Honduras was fast moving toward a Chavist dictatorship, crossing over the constitution and the laws. In addition to Honduras highest judicial body, the most prominent political and religious representatives of that country were warning about the Chavist risk.

However, nor president Obama, nor OAS's General secretary, Chilean socialist Insulza; nor the "moderate" president of Brazil, Lula da Silva; not even -- as far as we know -- any other Latin-American president said a word about the event. Self-determination was alleged, as well as the need for a dialogue, respect for internal political processes, etc.

All of those political players had the chance to intercede in behalf of Honduras, and although those opportunities are surely very recent, all of them preferred to wash their hands, as Pilate. I would like to point out two recent chances.

First, the Trinidad and Tobago Summit of the Americas, close to Honduras, where president Obama, with his neo-kerenskist style, was all smiles with dictator-president Chávez, flirted with Zelaya himself and with other indigenous-populist presidents, such as Equator's Correa and Bolivian Morales, praised "moderate" Lula and announced he was willing to dialog and establish "a new beginning" with the bloody Castro dictatorship.

Second, at the OAS General Assembly, that through a history irony was held in Honduras, with the approval of the Obama government, the Castro dictatorship was acquitted and the doors were opened for the country to return to the international body.

Under their own noses and before their own eyes, the chancellors of the governments of the Americas could feel and see the grave internal Honduras situation, but all of them would rather wash their hands, like Pilate did.

It was when Zelaya was taken from power, ordered by the Supreme Court and based on constitutional precepts that impede a president to be re-elected, that their vestments were torn off and one of the greatest joint clamors of both leftists and "useful moderates" of contemporary history cried out, with a true fury against a small country that decided to resist to those pressures. A small country that became gigantic spiritually, inspired by Saint Paul's expression, with expectations "against all human hopes", but expecting all from the Providence and recalling the biblical character of David against Goliath, for those who care for the Honduran drama.

At the moment when I am writing these lines, deposed president Zelaya threatens to return to Honduras where, according to that country's Cardinal warning, he will be responsible for any brother-to-brother bloodshed that may occur. In view of the Honduran resistance, even dictator-president Chávez looks at president Obama and hopes he breaks the Honduran resistance against the country's Chavism. Also when I am writing these very lines, news are spread that secretary of state Hillary Clinton has just called the interim president of Honduras, and there are versions that she has given him a sort of ultimatum. It is the same secretary Clinton that in Honduras, at the recent OAS meeting, approved the acquittal of the bloody Castro dictatorship; the very secretary of state that, along with president Obama, is open for a dialog with the pro-terrorist Iranian government; opens her arms to the Cuban communists; meets and smiles with dictator-president Chávez; and shuts the door to the civil Honduran delegation that went to Washington simply to explain their version of the facts. There are two weights and two measures of an injustice, hypocrisy and arbitrariness that clamor to heavens.

As it has already been recalled, the Honduras' Cardinal warned deposed president Zelaya that he will be liable for the bloodshed that may take place should he force his way into his country.

As for myself, while being ex-political Cuban prisoner for 22 years in Castro's jails, in my condition of US ambassador with the United Nations Commission on Human Rights for several years and as a simple citizen of the Americas, I'm sure that just like president Eduardo Frei Montalva passed to history as the Chilean Kerensky for paving the road for socialist Allende, president Obama runs the risk of passing to History as the Americas' Kerensky if he helps to keep on pushing Honduras toward the Chavist abyss.

-----------------
Armando Valladares, former Cuban political prisoner, was the US ambassador with the United Nations Commission on Human Rights, in Geneva, during the Reagan and Bush governments. He has just been granted an important journalism award, in Rome, for his articles in behalf of freedom in Cuba and everywhere else in the world. E-mails to: armandovalladares2006 @ yahoo.es.

07/08/2009

CASE STUDY: coitus non interruptus

É sempre com enorme surpresa feita de incredulidade que leio que uma qualquer investigação por um qualquer investigador, publicada numa qualquer revista científica, permitiu demonstrar uma qualquer coisa que qualquer dos meus antepassados morreu cansado de saber. Saber que até, por vezes, este vosso criado já tinha sido por ele iluminado no passado longínquo.

Desta vez, é a descoberta do coito vaginal, de preferência sem preservativo, permitindo «a troca de secreções entre os dois sexos, por conterem agentes antidepressivos, e uma maior intimidade», contribuir para aliviar os «problemas mentais» os quais, devido à ausência, por definição, dessa prática, afligem com mais frequência os homossexuais. Por isso, os de entre eles mais possuídos por «problemas mentais» vêm sempre que podem fazer tristes figuras para a rua abanar as perucas e as pelancas.

Consigo imaginar sem esforço os guinchos da tribo LBGT, protestando homofobia ou outra qualquer discriminação (para eles homofobia é discriminação). Guinchos que não se ouvem quando é publicado um qualquer estudo pseudo-científico onde, no mínimo, se pretende demonstrar que um heterossexual é um homossexual que ainda não saiu do armário e, no máximo, se pretende demonstrar a superioridade moral do paneleiro.

06/08/2009

Lost in translation (3) – quando o melhor do grande líder é do pior nos últimos 20 e tantos anos

«Está para nascer um primeiro-ministro que faça melhor no défice do que eu», disse José Sócrates um destes dias.

aqui se tinha desmistificado o auto-elogio do grande líder, sem grande soma de argumentos. Vou agora usar artilharia mais pesada, carregada com os obuses de Miguel Frasquilho aqui publicados.

Em 2005 o défice do OE expurgado do efeito do ciclo económico era segundo a CE de 6% do PIB. Quatro anos depois, o grande líder entregará a pasta ao seu sucessor com o défice em 6,2%. Se considerarmos o saldo primário, sem os juros da dívida pública (que durante o mandato deste governo estiveram ao nível mais baixo dos últimos 35 anos) e expurgado do efeito do ciclo económico, o melhor resultado de Sócrates, o défice de 0,9% em 2007 e 2008, é o pior resultado em todos os anos desde 1980, salvo 1981 e 1982 (governo AD), em 2000 e 2001 (governo Guterres).

05/08/2009

DIÁLOGOS DE PLUTÃO: Isaltino no balneário

Local: balneário dum health club frequentado por criaturas de várias extracções sociais, desde jovens executivos, alguns de sucesso como o doutor Sérgio Figueiredo, até quadros médios aposentados e domésticas idosas que costumam ficar a boiar na piscina durante as sessões de hidroginástica.
Tempo: 3.ª feira de manhã.
Modo: em cuecas (as personagens), slips, boxers e fios dentais (a audiência).
Personagens: uma mão cheia de aposentados, residentes nos concelhos de Oeiras e Cascais.

- Já sabes? O Isaltino foi condenado a 7 anos?
- Vai preso?
- Não. Já recorreu.
- Então vai poder ir às eleições?
- Claro. Isto é coisa para se arrastar uns anos.
- Vai às eleições e vai ganhar!
- Pois vai. Tem feito um bom trabalho.
- Tem sim senhor. Quando se vem de Lisboa, na fronteira com Oeiras, passamos do lixo para a limpeza.
- É isso. E o mesmo quando vamos de Cascais para Lisboa. Nem era precisa a placa.
- Roubo, mas faço, dizia um gajo qualquer brasileiro. O Isaltino é igual.
- Roubar, todos roubam. Uns para eles, outros, os mais espertos, para eles e para os amigos.
- Ou para os partidos.
- Isso.
- Todos roubam, mas só alguns fazem.

ESTADO DE SÍTIO: Os amanhãs que cantam de José Sócrates (4)

Perante o descrédito do ministro do jamais, ontem foi a vez da secretária de Estado dos Transportes prometer que, se o PS ganhar as eleições, modificará os critérios das portagens das SCUT podendo até a utilização continuar gratuita. A estória das SCUT é uma das maiores vergonhas deste governo e, se vivêssemos num país sério que se levasse a sério, a completa falsificação com que o governo de José Sócrates tratou a coisa seria suficiente para lhe fazer perder as eleições sem remição.

04/08/2009

O (IM)PERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: a mim parece-me muito

«Assistimos recentemente à oferta de Raul Castro para uma aproximação aos EUA, correspondendo ás declarações de boa vontade do Presidente Obama. Mas terá que ser salvaguardada a gloriosa revolução, essa é indiscutível!

Leio ao acaso numa carta de um correspondente estrangeiro em Cuba.
Cuba é um país agrícola, mas importa 80% dos produtos alimentares que consome.
Os frutícolas estão em vias de acabar. Desde 2004 a colheita de citrinos reduziu-se de 51% as bananas 38%, outras frutas, 29%. Um economista escreveu no Granma, jornal oficial do Partido: ...deve-se em primeiro lugar á falita de estímulo dos produtores. E a seguir ao sistema estatal que permite deixar apodrecer nos campos as frutas colhidas pelos agricultores.
Também 50% das terras cultiváveis nas mãos do Estado permaneciam sem cultivar ...
Há dois anos o presidente Castro anunciou alterações estruturais e de conceito, e reformas práticas para aumentar a produtividade. O semanário Trabajadores acaba de fazer o balanço dessas medidas: de 1.691.000 ha do Estado por cultivar, 689.697 ha foram entregues a trabalhadores agrícolas e cooperativas. Destes, apenas 1/4 está em exploração ou semeados.
Outra importante medida anunciada não foi ainda posta em prática: o trabalhador ganhará mais quanto mais produzir!!!

Para 50 anos de revolução, parece-me muito pouco.
»

[Enviado por JARF]

Nos estádios do Mundial 2018 vai ser usada a engenharia financeira

Ainda não estão pagos os 10 estádios que o governo socialista de Guterres construiu com o dinheiro dos sujeitos passivos para o Euro 2004 e já a FPF se prepara para apresentar na candidatura ibérica ao Mundial de 2018 cinco estádios. Braga e Algarve que fazem parte do lote terão que ser ampliados para cumprirem requisitos da FIFA para o Mundial.

Quanto ao estádio do Algarve as câmaras de Loulé e Faro já fizeram saber que não têm dinheiro. Sem embargo, o presidente da primeira espera que se encontre uma «engenharia financeira para que o Algarve não fique fora do Mundial». Ao contrário, em Braga, capitaneada pelo recordista dos processos judiciais engenheiro financeiro Mesquita Machado, está tudo preparado.

Resta-nos a esperança que os espanhóis, que têm que apresentar 10 a 12 estádios, apresentem 15 a 17 e nos subcontratem o catering.

Novo termo para o Glossário: engenharia financeira.

03/08/2009

O desinteresse nacional pelo conflito de interesses

É para mim extraordinário que as reacções de indignação com o escândalo do «desempenho» por vários médicos, incluindo o bastonário, de cargos na administração da Agrupación Mutual Aseguradora, segurador espanhola que cobre a responsabilidade civil profissional dos médicos portugueses, se tenham focalizado nas ajudas de custo recebidas.

Não se ouviram vozes pondo o dedo na questão crucial que é o conflito de interesses entre o cargo de presidente duma organização, chamemos-lhe assim, e o de administrador dum fornecedor dessa mesma organização. É uma coisa parecida com um ministro do Ambiente ter sido (que não foi) administrador da Freeport PLC.

TRIVIALIDADES: um esquerdalho de férias deve continuar membro da esquerdalhada

É um facto: quase 10% (136 em 1.510) das ocorrências da palavra esquerdalhada em toda a Web, desde sempre, são do blogue (Im)pertinências. Começaram em 29-09-2003 e só terminarão quando terminar o (Im)pertinências, isto é nunca. No Glossário definiu-se nessa altura esquerdalhada como uma turba de órfãos políticos, intelectuais desocupados, esquerdistas senis, feministas MF, gays, lésbicas, bissexuais pusilânimes, e, em geral, a infantaria do politicamente correcto.

É por isso que o vídeo «Vá de férias mas não abandone o esquerdalho» teria irremediavelmente que ser publicado aqui no (Im)pertinências, o que se só agora se faz, tarde e a más horas, e a reboque do insurgente André Azevedo Alves (obrigado).

02/08/2009

ESTADO DE SÍTIO: a entropia da política energética do governo ou, se isto é o melhor, como será o pior?

Apesar da credibilidade do governo já ter visto melhores dias, na área das energias renováveis onde a versão oficial é o grande líder, acolitado pelo ministro Pinho, ter colocado Portugal no top mundial, mesmo os sectores mais desafectos aos interesses no poder mostram um estranho silêncio conformado face ao anúncio das pseudo-realizações do governo.

Um pouco a contra-pêlo da reverência respeitosa que o Expresso costumava mostrar, (*) no suplemento de Economia de ontem foi publicado um interessante e relativamente objectivo artigo sobre este tema. Como se suspeitava, a realidade é substancialmente diferente do discurso governamental. A começar pela aldrabice estatística em que o governo tem sido mestre: a proporção de energia eléctrica proveniente de fontes renováveis é 27,8% e não 43,3% como se quer fazer acreditar manipulando o peso da energia hídrica.

A continuar na central fotovoltaica da Amareleja - um enorme investimento numa tecnologia totalmente importada e ultrapassada, com um peso irrelevante na produção de electricidade fortemente subsidiada (a energia desta fonte é paga a mais do triplo do preço da energia eólica).

A energia hídrica é, apesar de tudo, o sector onde o governo tem sido sofrível, com 8 das 10 barragens do plano adjudicadas. Mesmo neste sector comme si, comme ça, não avançaram as mini-hídricas, uma produção descentralizada, com tecnologia barata e reduzido impacto ambiental. A explicação pode ser o relativo pouco interesse dos grandes empreiteiros por este tipo de obras.

A manipulação mediática atinge proporções homéricas na apropriação das inaugurações das centrais eólicas. Dos 2.200 MW de capacidade inaugurados pelo grande líder, que se enfeita com os louros que pertencem a outros, apenas menos de 3% (60 MW) correspondem a projectos deste governo. Os restantes 97% foram lançados por governos anteriores.

A biomassa é um flop quase completo. Das 15 centrais anunciadas só duas estão adjudicadas e uma em construção. Flop completo é o projecto Pelamis de energia das ondas cujo equipamento depois de 3 meses de funcionamento jaz no porto de Leixões. Outro flop é a microgeração em que a aprovação de candidaturas anda mais devagar do que os tribunais (o que não é fácil).

Em conclusão, quando se ignora a estridência mediática, se está atento à manipulação dos dados e dos factos as realizações do governo em energias renováveis revelam uma considerável entropia.

(*) Costumava, mas as coisas estão a mudar. Um dos exemplos mais notórios é a coluna «Cem por cento» de Nicolau Santos que desde as europeias mostra um distanciamento crescente das laudes com que ainda recentemente nos brindava. No seu artigo de ontem, zurziu com grande indignação as medidas de política fiscal do programa do PS – espera-se que não seja apenas porque obviamente lhe estão a entrar no bolso.

O contrário do racismo não é o racismo ao contrário

Em 2001, Sonia Sotomayor, a escolha de Obama Barack para substituir o juiz David Souter, comentando a visão da juíza do Supremo Sandra O’Connor, para quem o género não tinha relevância nas decisões dos juízes, disse «I would hope that a wise Latina woman with the richness of her experiences would more often than not reach a better conclusion than a white male». Seria difícil discordar de Sonia Sotomayor se em vez de «I would hope» e «a better conclusion than» tivesse dito «I guess» e «a different conclusion from». A diferença contém todo um programa de vida.

Foi isso que o senador (branco) republicano Lindsay Graham deve ter pensado durante a discussão da nomeação de Sonia Sotomayor quando lhe pediu para repetir a frase de 2001, o que ela recusou. Graham observou então que se ele tivesse dito que os homens brancos dão melhores senadores a sua carreira teria aí terminado.

01/08/2009

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: «vendedor de banha da cobra», disse ele


«... uma imagem que se distancia mais do vendedor de banha da cobra.» (O fazer e o falar, José António Saraiva no Sol)



O proprietário da imagem é Manuela Ferreira Leite, diz JAS. Quem é o vendedor?

A Revolução Industrial está a chegar à França de l’Ancien Régime (2)

[Foto publicada ontem no OJE]

É a aliança operário-camponesa.

ESTADO DE SÍTIO: Os amanhãs que cantam de José Sócrates (3)

Ontem o grande líder incumbiu o substituto do doutor Pinho de prometer que o «governo vai entregar cheques às Pequenas e Médias Empresas (PME) para financiarem a sua internacionalização». Na sua incarnação de ministro da Economia, o doutor Teixeira dos Santos prometeu os cheques. Na sua incarnação de ministro das Finanças manteve de Conrado o prudente silêncio sobre aonde vai extorquir o dinheiro para os cheques. Nem seria preciso, a maioria dos sujeitos passivos já desconfia a quem vai ser espremida a fatia de leão. Em intenção dos distraídos que ainda não tenham realizado quem são esses sujeitos passivos, aqui fica o gráfico do insurgente Miguel Botelho Moniz retirado deste post e impertinentemente enfeitado.